O método natural de aprendizado de línguas

O método natural de aprendizado de línguas

Como funciona o método natural de aprendizado de línguas?

Este método não utiliza nenhum tipo de tradução ou auxílio da língua materna do aluno. Ele pode ser verdadeiramente chamado de natural pois é um dos poucos (talvez o único) que leva em conta a natureza orgânica da linguagem.

A principal ideia é que todas, ou quase todas, as frases sejam de fácil interpretação, o significado das novas palavras em cada caso prontamente compreendido sem nenhuma possibilidade de dúvida do contexto, no começo ajudado por desenhos e notas de margem. Dessa forma, a tradução se torna desnecessária.

O método não tem receio de repetir os mesmos elementos várias vezes, especialmente no começo, de maneira que palavras e frases são como que marteladas na mente do estudante, para serem de sua posse para sempre.

As formas gramaticais mais necessárias são desde o começo transmitidas de maneira natural sem usar nenhum termo técnico. Mais para frente, algumas instruções gramaticais básicas são dadas com simples explicações teóricas.

Associando imagens a palavras e situações, o material é apresentado de forma progressiva de modo que cada novo elemento seja explicado por um contexto constituído por elementos já adquiridos. Finalmente, sendo exposto a frases completas, o aluno passará gradualmente dos tipos mais simples para os mais complexos. Assim, é possível construir uma linguagem sem recorrer ao dicionário ou livros de gramática.

O material didático baseado no método natural conta com notas de auxílio nas margens de cada capítulo. Esse recurso permite a elucidação de novas palavras sem quebrar a experiência de imersão na língua inglesa.

A imersão na língua se dá por meio da narrativa de uma história, ao invés do aprendizado por meio de frases isoladas. As notas na margem apontam os pontos principais que o aluno precisa focar e prestar atenção. Dessa forma, os conteúdos apresentados no capítulo são destacados por meio dessas notas e até mesmo o aprendizado não é interrompido para uma apresentação de conceitos gramaticais.

Ou seja, ao invés de expor princípios e fornecer exemplos depois, o conteúdo é desenhado pelos próprios exemplos que a história fornece, sendo destacado pelas notas nas margens.

A obra da Vernácula, Inglês pelo Método Natural, baseando-se na obra de Arthur Jensen, utiliza o método natural de línguas. O método natural foi aplaudido e empregado por diversos estudiosos renomados em universidades do mundo inteiro. No entanto, com o tempo, perdeu espaço para abordagens mistas e “mais modernas”.

A língua é desenvolvida não com referências gramaticais ou análise textual, mas tentando satisfazer as demandas do pensamento: primeiro, mostrando uma necessidade e como essa necessidade é suprida. Por exemplo: nós pensamos em objetos e, ao falarmos deles, precisamos nomeá-los; nós pensamos nas qualidades e ações dos objetos, e para expressar tais pensamentos, devemos ter palavras para expressar qualidades e ações; nós pensamos quando, onde, como e por que certas ações acontecem e precisamos ter palavras para a expressão de tais pensamentos.

Um exemplo da utilização deste recurso é a figura da casa acima, a qual possibilita o perfeito entendimento do seguinte trecho:

“Does their house have a window? Yes, their house has many windows. Does their house have a door? Yes, it has two (2) doors. It has also a roof. The roof is the top of the house. The house has four walls. How many windows does the house have? It has eight (8) windows.”

É fácil perceber o significado dos objetos apresentados: window, house, door, walls, roof. O significado de outras palavras, como many (muitas), top (topo) e how many (quantas) podem ser compreendidos por intuição.

As palavras são associadas com as realidades apresentadas, não com sua tradução. Isso consolida, na mente do aluno, a associação da palavra com o objeto, e não com sua tradução, como geralmente ocorre nos métodos mais modernos de aprendizado.

Deixe um comentário